Consumo

Entram dias, passam semanas. E a vida continua tal qual é: apressada, tencionada por tarefas e marcada também por esparsos momentos de lazer, descanso. Está certo, o tempo não pára. Por entre as experiências do cotidiano, muitos indivíduos parecem funcionar no modo automático, inconscientemente perpetuando rotinas. Mas, afinal, qual problema há nisso?

Ao transitar superficialmente pela vida, as pessoas deixam de lado os sentimentos e mesmo as reflexões sobre o mundo e a si mesmas. Dar um off no modo automático significa atentar, principalmente, para os valores difundidos em sociedade e para os comportamentos legitimados por tais valores. E uma das práticas consideradas mais naturais hoje é a compra.

Rappers norte-americanos: ostentação de fortunas.

Pagar para adquirir, para tomar posse de uma coisa. Mais do que isso, o comprar tem ligação intrínseca com o status social. O sujeito que tem muito dinheiro é vangloriado socialmente pela ostentação das suas compras. Um exemplo bem expressivo disso é o conjunto de produções do atual hip hop norte-americano. Os rappers – sempre usando jóias, relógios, roupas e calçados caríssimos – dirigem carrões e fazem questão de cantar as suas fortunas. Ricos e, consequentemente, rodeados de mulheres. A posse de bens desdobra-se em poder sexual.

Carrie. A protagonista de "Sex in the City" e suas inseparáveis compras.

Não só nos clipes musicais é possível se observar essa exaltação do consumo. Algumas atrações televisivas como o famoso seriado Sex in the City (http://www.hbo.com/city/), tratam da temática de maneira leve e despretensiosa. Comprar é chic, relaxante e ainda auxilia na produção do belo. O ato de comprar é prazeroso justamente porque resulta em status e, além disso, satisfaz momentaneamente carências, como fica claro nos episódios do seriado. Terminou com o namorado? Compras. Quer “arrasar” naquela festa? Compras. Está entediada? Compras.

Mas quais valores embasam esse culto ao consumo? É fato que o liberalismo conectado ao modelo capitalista é, em última instância, o elemento que fomenta a valorização do prazer individual. Para além da diabolização do “sistema”, é interessante olhar para as vivências diárias e problematizar mesmo os comportamentos mais espontâneos. Como ir ao shopping. Um ambiente comercial e estritamente de entretenimento pode revelar muitas facetas desse consumismo impregnado no dia-a-dia.(http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=113941)

O vídeo a seguir trata disso.

Anúncios
Explore posts in the same categories: Cotidiano

Tags: , , ,

You can comment below, or link to this permanent URL from your own site.

2 Comentários em “Consumo”

  1. zonatto Says:

    Gente, achei legal demais esse vídeo de vcs! Galera (inslusive meu grupo) ficou mto presa no Eletronika e n pensou nessas possibilidades bacanas de falar de temas como o consumo. Eu acho q nunca tinha visto assim o povo falando q gosta mesmo de comprar, q dá uma sensação mto boae tals… Fiquei até meio triste =( mas fazer oq, pra maioria das pessoas, é isso aí mesmo.

    • intermedia Says:

      Que bom que vc gostou Zonnato!
      Eu (Bárbara)tive muitas dificuldades para editar o vídeo – a minha primeira prática em edição. Então, tenho consciência dos (vários) errinhos técnicos. Saiba que é muito estimulante ouvir elogios da minha primeira produção audiovisual!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: